21 maio 2020

A Polícia Civil, através do delegado regional, Carlos Alberto Defaveri está buscando meios de sensibilizar autoridades para que realizem mudanças necessárias para evitar novas mortes em acidentes nas estradas da região

A Polícia Civil, através do delegado regional, Carlos Alberto Defaveri está buscando meios de sensibilizar autoridades para que realizem mudanças necessárias para evitar novas mortes em acidentes nas estradas da região. A seguir a manifestação do delegado:

Irresignados em apenas fazer Inquéritos Policiais e encontrar culpados em cada evento grave de trânsito, levamos à Dra. Nadine Farias Anflor, Delegada Chefe da Polícia Civil do RGS e também externamos o sentimento de que algo precisa ser feito na ERS 122, trecho de Ipê à BR 116 (Vacaria e Campestre da Serra).

Os “acidentes” acontecem invariavelmente por imprudência de condutores, ao não respeitar a velocidade, as condições da via ou ao fazer uma ultrapassagem indevida, etc…

Só que muitas vezes, o motorista imprudente faz vítimas inocentes que podem ser qualquer um. .

Os assuntos são de atribuição da Polícia Civil quando há lesão corporal com representação da vítima, ou morte. A grande maioria dos acidentes, embora graves, nem chegam a conhecimento. Mas eles existem, e envolvem o trânsito pesado.

Como os fatos se reptem em determinados pontos da estrada, levamos essa questão ao debate para que sejam utilizados os recursos de Engenharia de Segurança Viária, os quais existem e não são muito onerosos, como os tachões divisores de fluxo e os demarcadores centrais.

Veja-se o exemplo do trecho de 13km entre Flores da Cunha e Caxias do Sul: todo ele tem as vias de fluxo contrário divididas por tachões… raramente há acidentes. Ao passar pelo caminho, perceba a existência e imagine-o sem eles….

A ERS 122 de Ipê à BR 116 possui alguns pontos que exigem esses recursos de Segurança Viária.
Principalmente próximo aos trevos de acesso à cidade de Ipê, e nos Kms finais da estrada, ao se aproximar do Trevo com a BR 116.

Não podemos apenas contar mortos, feridos e apurar prejuízos. São corpos dilacerados, vidas que se vão, famílias destruídas, sequelas físicas e psicológicas para sempre, prejuízos materiais, prejuízo a empresas, ao SUS, à Previdência, dispêndio de recursos de segurança pública, etc….

Quanto significam os “acidentes” no PIB de uma Nação???

Atento, o Deputado Federal Ronaldo Santini viabilizou ontem encontro por vídeo-conferência do qual participaram o Secretário Estadual de Logística e Transportes, Juvir Costella, o Diretor Geral do DAER, Luciano Faustino, Prefeito de Ipê, Valério Marcon, Secretário da Administração Tésio Fernandes de Almeida, de Campestre da Serra, Marcelo Maschio Piazza, Vice-Presidente da CIC Serra, Paulo Ricardo Ossani, Empresário do Transporte, o Comandante Geral da Polícia Rodoviária Estadual, Coronel Botelho, Comandante Regional da PRE, Major Tiaraju, e a Polícia Civil, através do Delegado Regional da 25a DPRI, Carlos Alberto Defaveri.

O encontro foi muito produtivo. Será encaminhado documento pela Chefia da Polícia Civil ao Secretário Estadual dos Transportes, como maneira de formalizar a necessidade de providências e servir de ponto de partida para os estudos e melhorias que são necessários, onde serão apontados, ao ver da Polícia Civil, os pontos mais críticos.

Em análise mais ampla, estudos já foram levados por entidades empresariais da Região a Governos do Estado sobre a importância da ERS 122, segunda estrada em fluxo de caminhões na ligação à Santa Catarina e Norte do Brasil, perdendo apenas para a BR 101. Houve sugestões para implementação de Parcerias Público Privadas e Federalização da estrada. Ela inicia no Vale do Caí e cruza a Região Metropolitana da Serra Gaúcha, e nunca teve o tratamento que lhe é devido, segundo análise de dirigentes empresariais.

Carlos Alberto Defaveri
Delegado de Polícia – 25a DPRI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *